Mercedes e Flechas de Prata – Histórico no automobilismo

por Leandro Castro*

A Mercedes está de volta ao mundo da Fórmula 1 com sua própria equipe, depois de adquirir 75,1% da Brawn GP. Com essa novidade o mundo do automobilismo festejou a volta de um mito, que foi criado ainda na década de 30 e com o apoio do governo nazista: os famosos Flechas de Prata.

Fangio-MB-W196-1986Fangio e o Mercedes W196, em 86 – Apresentações em festivais

Uêba - Os Melhores LinksO apelido Flechas de Prata foi dado aos carros da Auto Union e da Mercedes, que dominaram os Grandes Prêmios na década de 30. O primeiro destes mitos, chamado W125, tinha chassis de liga de aço em cromo, níquel e molibdênio, e carroceria de alumínio. Até o ano de 34, os Mercedes de corrida eram pintados de branco, a cor da Alemanha para competições, como o carro ficou com peso acima do permitido pelo regulamento, os engenheiros não tiveram dúvida. Rasparam toda a tinta, deixando os carros com o alumínio da carroceria reluzindo. Por isso deram esse apelido aos bólidos. Os “flechas de prata” ganharam sete das onze provas que disputaram, com a primeira vitória em Trípoli, na Itália.

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!Com a II Guerra Mundial, os alemães só voltaram ao mundo das corridas no ano de 54, graças ao esforço da Mercedes-Benz, que retornou às pistas com o W196. A montadora não economizou recursos (financeiros e humanos) na construção de seus novos modelos, e com o uso da alta tecnologia disponível na época, os carros da montadora alemã deixaram todos os outros obsoletos. Criou-se até dois tipos de carrocerias: uma tradicional e outra usada somente em circuitos de alta velocidade, que cobria as rodas. Os W196 dominaram as temporadas de 1954 e 55.

No próprio ano de 54 a equipe Mercedes não estava pronta para a primeira prova do campeonato e autorizaram Juan-Manuel Fangio a iniciar a temporada de Maserati, com o qual venceu na Argentina e na Bélgica, provas que antecederam a estreia vitoriosa no Grande Prêmio da França, realizado em Reims.

fangio 1954 ReimsFangio e a estréia do W196, em Reims

Além da França, Fangio venceu em Nürburgring, Bremgarten e em Monza. Com essas vitórias, se tornou tri-campeão mundial, mesmo não participando do GP de Indianápolis e sendo superado pela Ferrari, em Mônaco e em Barcelona.

Já no ano seguinte, a Mercedes foi derrotada apenas uma vez, no GP de Mônaco, e mais uma vez coube a Ferrari superá-los. Já as vitórias de Fangio aconteceram em Buenos Aires, Spa Francorchamps, Zandvoort e em Monza.

A conquista da Mercedes, em Aintree, ficou a cargo do segundo piloto da casa, ninguém menos que Sir Stirling Moss.

2289Mônaco 1955 – Fangio seguido de Moss: nunca venceram neste circuito com um Mercedes

Porém, nem tudo foi alegria em 55. O piloto francês Pierre Levesh sofreu um trágico acidente nas 24 Horas de Le Mans daquele ano, ao volante de um Mercedes 300SLR.

Tudo aconteceu quando o também piloto, Mike Hawthorn, entrava para os boxes. Nesse momento ele quase colidiu com Lance Macklin, que para evitar a batida, desviou para a esquerda e acabou atingindo o francês, que vinha logo atrás. Levesh passa por cima do carro de Macklin e acaba batendo violentamente na barreira de proteção. O carro é tomado pelas chamas e o piloto acaba morrendo na hora, um fim trágico. Pedaços do carro também voaram sobre o público matando 84 pessoas. Este é considerado o pior acidente do automobilismo, com maior número de vítimas fatais.

moss_mercedes_w196Dois mitos em ação: Moss e W196, em evento neste ano.

Como conseqüência a Mercedes se retira de todas as corridas, dando fim à participação dos “Flechas de Prata” na Fórmula Um. Ao fim de 12 corridas (1954 e 1955), a equipe conseguiu vencer 9 provas, obter 8 pole-positions e nove melhores voltas.

O texto ficou extenso, mas não como a tradição dos carros Mercedes. Sexta-feira tem mais sobre automobilismo, um forte abraço!

* Leandro Castro é colunista de automobilismo e escreve também para o formulatotal.wordpress.com

Grandes Corridas – Michael Schumacher e Barcelona, em 96 >>

Conheça um dos pilotos mais talentosos da Fórmula 1 >>

Mais sobre automobilismo >>

Página principal >>

Um comentário em “Mercedes e Flechas de Prata – Histórico no automobilismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *